Resenha de Divergente

IMG_0272

Autora: Veronica Roth                                                       Editora: Rocco

Esse livro ficou muito famoso e virou queridinho de muitos jovens, mas demorei muito para ler, só comprei depois que o primeiro filme já tinha saído e só li mais de um ano depois de ter comprado!

E a culpa é de um spoiler gigantesco que eu recebi do final da trilogia, perdi totalmente a vontade e fiquei adiando a leitura. Até que me bateu um interesse súbito e comecei a ler.

Mas, chega de enrolação e vamos ver a sinopse:

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.

A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.

E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

IMG_0832

Beatrice recebe a notícia que é uma divergente durante seu teste de aptidão, descobre também que isso é muito perigoso e que é uma coisa que deve esconder de todos. Como se já não fosse difícil escolher o rumo da sua vida aos 16 anos, saber que é divergente e que tem aptidão para mais de uma facção complica ainda mais a decisão da garota, além disso, a garota tem medo de magoar os pais.

A menina acaba escolhendo a Audácia, a facção dos corajosos, e mudando o nome para Tris, o que ela não sabia era a dificuldade da iniciação da facção escolhida e que ao final, se não conseguisse, se tornaria uma sem-facção.

Então, além de esconder que é divergente, Tris tem que aprender a lutar, mexer com armas, pular de trens em movimento e a lidar com seus piores medos e com o bulliyng que sofre dos colegas que a chamam de careta, por causa de sua facção de origem. Para ajudá-la a lidar com todos os problemas a garota tem Cristina, Will e Al, amigos iniciandos e Quatro, um de seus instrutores.

IMG_0834

O livro é uma distopia, e apesar do spoiler estou gostando bastante, é bem rápido e cheio de ação, quando percebi já estava no final e mesmo assim consegue ser detalhado na medida certa.

Gostei muito da Tris, achei que ela cresceu muito durante a história e transmitiu todas suas emoções, medos e dúvidas. Amei o Quatro, o jeito quieto dele, e gostei que o romance não foi o foco do livro.

IMG_0835 (2)

Enfim, gostei muito da história e mesmo sabendo o final continuarei lendo a série, recomendo aos amantes de distopias e livros com muita ação.

Sinto como se alguém tivesse enchido o meu pulmão com novos ares. Não sou da Abnegação. Não sou da Audácia.

Eu sou Divergente.

E não posso ser controlada. (pág. 455)

Por Amanda Padovan

Anúncios

7 comentários sobre “Resenha de Divergente

  1. Ooi! Eu acho bem legal a ideia desse livro, e eu também sei deste spoiler Kkkkkkk Eu assisti ao primeiro filme e curti muito, mesmo ao ler que não está tão fiel à estória. Bom, vou ver se leio 😀
    Bjs

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s