Resenha de Não conte para a mamãe

Memórias de uma infância perdida.


Autora: Toni Maguire      Editora: Bertrand Brasil

Sinopse:

A frase que dá título ao livro de Toni Maguire, Não conte para a mamãe, poderia ser uma pacto ingênuo entre dois irmãos ou uma brincadeira entre crianças. Infelizmente, não é o caso. Na verdade, é a ameaça sofrida pela autora durante os quase dez anos em que foi violentada pelo próprio pai.
Quando aconteceu pela primeira vez, a pequena e inocente Antoniette tinha apenas seis anos. Apesar da tenra idade, tudo ficou gravado em sua memória, o tempo nada dissipou: os detalhes, os sentimentos, a dor. Foi a primeira de muitas, incontáveis vezes. Não conte para a mamãe, de Toni Maguire, desvela a comovente história de um infância idílica que mascarava uma terrível verdade.

Vi muitos comentários sobre o livro na internet e isso aguçou minha curiosidade pela obra, mas não imaginava que a história mexeria tanto comigo.

Não conte para a mamãe retrata a história de Antoniette, uma garotinha que desde os seis anos sofreu abuso nas mãos do próprio pai, o livro intercala o passado, quando ainda era Antoniette e o presente, quando ela, já adulta, decide ser chamada de Toni para tentar esquecer todo o sofrimento vivido. Ela está em um hospital ao lado de sua mãe, que com uma doença em estágio terminal, está vivendo seus últimos dias.

“Durante anos, sonhei com o seu regresso, mas mais de dez anos depois, quando finalmente regressaram, não trouxeram qualquer felicidade.”

A história acontece na Inglaterra e Irlanda, nos anos 50, e mostra uma sociedade totalmente preconceituosa e sem compaixão. É revoltante ver o que acontece com a menina sem que nada seja feito para ajudá-la. Não consegui gostar de nenhum personagem, com exceção da protagonista, é claro, e isso foi uma das coisa que mais me assustou, já que se trata de uma história real.

Antoniette esconde um segredo, não tem o apoio da mãe, que é totalmente indiferente à tudo o que a garota passa, não tem a ajuda das professoras, da família, dos médicos, ela é uma menininha vivendo sozinha em um mundo horrível, sem melhores perspectivas de futuro, sem tem com quem contar e sem esperança de um dia ter uma vida feliz.

Pensar que tudo isso realmente aconteceu com alguém me deixou triste, me fez chorar e me revoltar, me fez pensar em como o ser humano pode ser tão cruel e desprezível. Não quero falar muito sobre a história para não dar spoilers, mas se preparem para um livro muito difícil de ler, estejam preparados para cenas realmente fortes, tristes e revoltantes, uma leitura que lhe renderá ondas de desespero e compaixão.

“Quando completou dez anos, já sabia que qualquer felicidade que experimentasse não passaria de uma ilusão passageira.”

E se me perguntarem se depois de tudo isso me arrependo da leitura, com certeza responderei NÃO! Apesar de todos os problemas, de tudo o que passou, Toni se mostra uma mulher forte, saber que ela sobreviveu a tudo isso me deixou um pouco melhor, mesmo que tenham ficado cicatrizes, traumas que nunca desaparecerão, senti que ela conseguiu dar um rumo melhor para a sua vida, é isso o que me anima, então, se você busca um livro com uma história forte e verídica, leia Não conte para a mamãe e se prepare para um choque de realidade.

“Sim, papá – sussurrei. – Prometo que não digo.
Mas disse. Sentia-me segura do amor de minha mãe. Amava-a e sabia que ela me amava. Ela haveria de manda-lo parar. Mas não mandou.”

Anúncios

3 comentários sobre “Resenha de Não conte para a mamãe

  1. Pingback: Leituras de Agosto | Nerdíssimos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s